Dez/11

29

PALHAÇOS SEM FRONTEIRAS NO SRI LANKA

A atividade humanitária é, sem sombra de dúvidas, uma prioridade entre meus projetos pessoais. Foi neste contexto que experimentei uma das mais intensas experiência de minha vida, a qual relato brevemente nas próximas linhas.

MISSÃO SRI LANKA: UM PEQUENO GRÃO DE AREIA NA A RECONSTRUÇÃO DA VIDA DE MILHARES DE PESSOAS

No dia 26 de dezembro de 2004, a comunidade internacional ficou comovido pelas noticias que chegavam do sudeste asiático descrevendo as terríveis conseqüências do terremoto e do posterior tsunami que devastou aquela região do planeta. Imediatamente uma série ações de auxílio à população envolvida forma realizadas, visando dar apoio para a superação dos traumas sofridos pelos adultos e especialmente pelas crianças.

Através de um convênio institucional entre Palhaços Sem Fronteiras e Médicos Sem Fronteiras foram organizadas duas missões de aproximadamente 20 dias de duração cada uma, contando com a participação de 6 artistas. Nosso grupo foi formado por Luisme, Graça, Julian, Leticia e Cristina. Os profissionais envolvidos dedicaram-se de maneira totalmente voluntária na operação, sem qualquer ajuda de custo ou remuneração. Foi em um destes grupos que tive a oportunidade de engajar-me no trabalho humanitário.

Clowns Without Borders

Clowns Without Borders

Nossa missão começou no meio de fevereiro ainda em Barcelona com algumas reuniões norteadoras. Planejamos as atividades e coordenamos as ações com a ajuda de Médicos Sem Fronteiras que já estava presente na região desde o dia posterior à tragédia. Anteriormente, passamos por uma série variada e dolorosa de vacinações contras diversas doenças (dengue, febre amarela, tifo, raiva, tétano, malaria), algumas das quais pensávamos que já estavam erradicadas.

A missão partiu de Barcelona dia 24 de fevereiro. Os dois líderes do grupo viajaram quatro dias antes para realizar todos os preparativos de nossa chegada como a agenda de atividades, o transporte e  a alimentação. Chegamos a Colombo, capital sirilanquesa, no dia 25 de fevereiro depois de passar por Dubai (Emirados Árabes), enfrentando mais de 20 horas de viajem. Com o auxilio de um guia logístico de Médicos Sem Fronteiras, de um motorista e de intérprete local, fomos levado à região onde trabalhamos a maior parte do tempo. Em resumo, cerca de 17 horas de viajem cruzando transversalmente todo o Sri Lanka.

Mapa Sri-Lanka

Mapa Sri-Lanka

Já no estado de Ampara, mais precisamente na cidade de Kalmunai, região nordeste e a mais afetada pelo tsunami, nos instalamos numa casa alugada por Médicos Sem Fronteiras e que se tornou nosso campo-base entre as inúmeras viagens e atuações que transcorreram nos dias seguintes.

Desde o princípio, a ajuda logística  e especialmente a orientação cultural e sanitária do grupo de Médicos Sem Fronteiras da Espanha, responsável pela missão, foi fundamental para que não ocorresse nenhum problema de saúde com o grupo e para que ficássemos tranqüilos no cumprimento de nossos objetivos, realizando o maior número de apresentações e oficinas possíveis no período de tempo que o projeto abarcava.

Sri Lanka - Escola
Sri Lanka – Escola

Dia a dia acordávamos bem cedo e depois de um breve café da manhã carregávamos nossa “van”, sempre pontualmente com nosso fiel protetor, guia e tradutor Mr. Hatman, com o material do espetáculo e saíamos para a primeira missão mambembe do dia. Normalmente visitávamos dois ou três campos de refugiados ou escolas diariamente (existiam mais de cem somente naquela região). Pedíamos a autorização para os responsáveis do local, embora na maior parte das vezes a apresentação já estava combinada. Montávamos nosso pequeno cenário composto por um tapete, duas caixas de som e dávamos um pequeno toque da maquiagem. Não era a preciso chamar a atenção do público que já se encontrava ao nosso redor, aguardando com curiosidade e ansiedade a atuação daqueles seres estranhos disfarçados de palhaços. A entrevista realizada por René e Fernández (2005: 21) a um dos participantes da primeira missão mostra outros detalhes de nossas operações, além de outras impressões pessoais sobre todo o trabalho realizado.

Sri Lanka - Acampamento
Sri Lanka – Apresentação no Acampamento de refugiados

A gratidão do público e das autoridades locais pôde ser percebida facilmente através dos risos e das incansáveis saudações de agradecimento. Isso foi, sem dúvida, a principal motivação para que pudéssemos superar as adversidades climatológicas (um calor de 40 graus) e os poucos recursos e a complexa situação vivida naquele momento.

Com este incentivo humano, pudemos realizar muitos espetáculos num breve período de tempo sem que nos sentíssemos arrebatados pelo cansaço. Talvez um depoimento que expressa claramente a importância do trabalho realizado foi o dado pelo diretor de uma das escolas visitadas: “graças a vocês hoje foi o primeiro dia que nossas crianças foram para casa falando de outra coisa que não fosse o medo de que voltasse a acontecer outro tsunami: o único que falavam era sobre nossa atuação”.

Nossa estância no Sri Lanka foi uma prova da possibilidade de uma convivência harmoniosa entre pessoas, línguas, culturas, religiões e costumes diversos. É realmente incrível perceber que as diversas mesquitas (maioria na região de Kalmunai), templos budistas, hinduísta e algumas igrejas católicas e protestantes concorriam lado a lado sem qualquer antagonismo ou oposição de forças.

Sri Lanka - Praça
Sri Lanka – Apresentação em escolas

Outro aspecto que gostaríamos de salientar relaciona-se com a questão lingüística. No Brasil, apesar de suas extensas dimensões geográficas, nos comunicamos numa única língua, em todas latitudes. Países como Sri Lanka revelam uma realidade completamente diferente. O língua oficial do Sri Lanka é o “cingalês”, no entanto, na região de Kalmunai impera o idioma Tâmil. Além disso, muitos habitantes se comunicam em árabe, em hindu ou em inglês. Basta viajar algumas dezenas de kilômetros para perceber outros dialetos e variações destes idiomas que remontam eras milenares da civilização. Trata-se de um enorme desafio para o governo na organização dos programas de educação e desenvolvimento sociocultural e também para os missioneiros.
Por outro lado, esta região vive há décadas um conflito armado entre a milícia paramilitar denominada Exército Tâmil e as tropas do governo. Esta permanente tensão gera choques e enfrentamentos graves resultando em vítimas fatais, o que gera controles freqüentes do exército federal e esporádicos toques de queda. A pesar do “cessar fogo” declarado por ambas partes por conta da catástrofe, fomos obrigados a permanecer por um dia inteiro em nossa residência, pois na noite anterior ocorreram alguns assassinatos nas cidades que visitávamos. Durante o dia as ruas e estradas não eram seguras e, além disso, o exército procedia com controles extensivos, sendo muito perigoso o deslocamento de um lugar a outro.
A maioria de nossos espetáculos foi acompanhado de perto por soldados armados que faziam à proteção dos centros educativos ou dos campos de refugiados. Talvez a experiência mais marcante foi à chegada de um caminhão com várias guerrilheiras fortemente armadas denominadas Tigresas Tâmil (uma facção desta milícia formada somente por mulheres). Elas limitaram-se a observar os nossos trabalhos e a oficina que ministrávamos a um grupo de jovens nativos.

Outro aspecto que gostaríamos de salientar relaciona-se com a questão lingüística. No Brasil, apesar de suas extensas dimensões geográficas, nos comunicamos numa única língua, em todas latitudes. Países como Sri Lanka revelam uma realidade completamente diferente. O língua oficial do Sri Lanka é o “cingalês”, no entanto, na região de Kalmunai impera o idioma Tâmil. Além disso, muitos habitantes se comunicam em árabe, em hindu ou em inglês. Basta viajar algumas dezenas de kilômetros para perceber outros dialetos e variações destes idiomas que remontam eras milenares da civilização. Trata-se de um enorme desafio para o governo na organização dos programas de educação e desenvolvimento sociocultural e também para os missioneiros.

Por outro lado, esta região vive há décadas um conflito armado entre a milícia paramilitar denominada Exército Tâmil e as tropas do governo. Esta permanente tensão gera choques e enfrentamentos graves resultando em vítimas fatais, o que gera controles freqüentes do exército federal e esporádicos toques de queda. A pesar do “cessar fogo” declarado por ambas partes por conta da catástrofe, fomos obrigados a permanecer por um dia inteiro em nossa residência, pois na noite anterior ocorreram alguns assassinatos nas cidades que visitávamos. Durante o dia as ruas e estradas não eram seguras e, além disso, o exército procedia com controles extensivos, sendo muito perigoso o deslocamento de um lugar a outro.

A maioria de nossos espetáculos foi acompanhado de perto por soldados armados que faziam à proteção dos centros educativos ou dos campos de refugiados. Talvez a experiência mais marcante foi à chegada de um caminhão com várias guerrilheiras fortemente armadas denominadas Tigresas Tâmil (uma facção desta milícia formada somente por mulheres). Elas limitaram-se a observar os nossos trabalhos e a oficina que ministrávamos a um grupo de jovens nativos.

Também chamou nossa atenção a constante presença de animais, vacas, cachorros, cabras, ovelhas que, segundo nosso guia, “que não tinham dono”. Estes animais vagavam pelas ruas e estradas alimentando-se dos restos que encontravam. Da mesma forma, convivíamos com os mercadores de rua que vendiam carne, peixe ou qualquer coisa que pudesse ser vendida ou trocada. Finalmente observamos o contraste projetado nas diversas lojas de jóias, ouro e tecido finos que se alastravam em quase todas as vilas e cidades que visitamos.

Durante nossa viajem vimos que grande parte das escolas, hospitais, centros comunitários, casas, barcos e tudo que estava construído na costa foi arrasado pelas duas ondas gigantes. Vimos como uma cultura acostumada a construir a maior parte da sua vida social à beira do mar, algo lógico considerando que a pesca é fonte de grande parte de sua subsistência, foi reduzida a escombros em minutos.

Viajamos mais de 1.000 km ao longo da costa deste país e realmente tudo se encontrava destruído. A imagem mais impressionante, se for realmente possível destacar algo deste terrível panorama, foi um trem totalmente destruído, inclusive os trilhos, no qual, segundo as autoridades e testemunhas, mais 4.000 pessoas morreram. Parece ser que a onda gigante acertou o comboio justamente no momento em que travegava pelo local, na dando chance de reação.

Nos últimos dias desta expedição, deslocamo-nos para o sul do país e colaboramos com outras missões de Médicos Sem Fronteiras da Suíça e da França, momento em que pudemos perceber que a realidade desta região era um pouco distinta pois, apresentando-se como uma importante zona turística, estava mais desenvolvida e pôde responder mais rapidamente aos problemas mesmo encontrando-se num estado de destruição bastante semelhante.

Estas são apenas algumas inpressões de um experiência que jamais esquecerei e que me permitiu aprender muito sobre a humanidade e principalmente sobre suas fragilidades.

Extrato parcial do artigo: PALHAÇOS SEM FRONTEIRAS: O CIRCO A SERVIÇO DA SOCIEDADE

Mais informação sobre esta terrível tragédia aqui.

« EVENTOS 2012

2012 NOVAS PUBLICAÇÕES »